O que faz um farmacêutico? Conheça as atribuições da profissão

Você tem interesse na carreira de farmacêutico, mas não sabe exatamente o que esse profissional faz no seu dia a dia? Neste artigo, falamos sobre todas as linhas de atuação que um farmacêutico pode seguir e quais são as suas principais atribuições. Depois, falamos também sobre a situação atual do mercado de trabalho.

Confira!

O que faz um farmacêutico?

Em suma, o farmacêutico é um profissional da área da saúde que estuda os efeitos dos fármacos no organismo humano e animal. São eles os responsáveis por toda a cadeia produtiva desses fármacos (que inclui medicamentos, cosméticos e outros) atuando no desenvolvimento, produção, distribuição e na dispersão deles para o público. Para isso, eles podem atuar diretamente em laboratórios, indústrias, hospitais e outras instituições de saúde, além das próprias farmácias.

Quais são as atribuições de um farmacêutico?

Segundo o Conselho Federal de Farmácia (CFF), que regula e disciplina o exercício da profissão no Brasil, lista dez linhas de atuação dos profissionais da área. São elas:

1. Alimentos

Como um profissional da saúde, o farmacêutico é preparado para atuar não só no tratamento de doenças com medicamentos. Mas também para atuar em todas as áreas que impactem a saúde da população, inclusive a indústria de alimentos.

O farmacêutico que atua nesta linha realiza controle de qualidade de produção e armazenamento. Além disso, o farmacêutico também integra a equipe multidisciplinar que trabalha na melhoria de alimentos na indústria.

  • Aprovar ou rejeitar as matérias-primas, os materiais de embalagem e os produtos intermediários, a granel e terminados em relação à sua especificação;
  • Avaliar os registros analíticos dos lotes dos produtos;
  • Participar da elaboração das instruções para amostragem, as especificações, os métodos de ensaio e os procedimentos de controle de qualidade;
  • Aprovar e monitorar as análises realizadas;
  • Garantir a manutenção das instalações e dos equipamentos do controle de qualidade;
  • Realizar validações necessárias, inclusive a validação dos métodos analíticos e calibração dos equipamentos de controle.

2. Análises clínico-laboratoriais

Por outro lado, o farmacêutico também pode trabalhar diretamente em laboratórios, realizando a coleta de materiais e análises laboratoriais e toxicológicas. Trata-se de uma linha de atuação bem ampla e que envolve várias especialidades como: análises clínicas, bacteriologia, banco de materiais biológicos, banco de órgão, tecidos e células, banco de sangue, sêmen, biologia molecular, bioquímica, citogenética… a lista é bem grande!

Confira as principais atribuições dessa linha de atuação:

  • Supervisionar, orientar exames, empregando aparelhos e reagentes apropriados;
  • Interpretar, avaliar e liberar os resultados dos exames para fins de diagnóstico clínico;
  • Realizar verificação frequente dos aparelhos usados nas análises, ajustando-os e calibrando-os sempre que necessário, a fim de garantir funcionamento e a qualidade dos resultados;
  • Elaborar pareceres, informes técnicos e relatórios para aperfeiçoamento de atividades em sua área de atuação;

3. Educação

O profissional que atua na linha da educação pode trabalhar na docência do ensino superior, formando novos profissionais da farmácia. Para isso, é preciso dar prosseguimento à carreira acadêmica, realizando mestrado e, em seguida, o doutorado.

Além disso, também pode realizar ações de educação em saúde e educação ambiental para a população em geral.

  • Planejar, organizar e executar as atividades didático-pedagógicas e administrativas no curso de farmácia.
  • Planejar, organizar, executar e avaliar atividades de ensino, pesquisa e extensão.
  • Orientar e supervisionar as atividades acadêmicas de monitoria, estágios obrigatórios e não obrigatórios, iniciação científica, extensão, entre outros.
  • Desenvolver e divulgar estudos e pesquisas relacionados à sua área de atuação, promovendo o intercâmbio técnico-científico.

4. Farmácia

A linha que chamamos de farmácia diz respeito à atuação direta do farmacêutico na atenção em saúde aos pacientes nos diferentes níveis de atenção à saúde. Trata-se, portanto, de uma atuação mais voltada para a gestão farmacêutica realizada principalmente em instituições públicas, mas também nas privadas.

Suas principais atribuições são:

  • Participar da elaboração do plano de saúde e demais instrumentos de gestão em sua esfera de atuação;
  • Elaborar a programação da aquisição de medicamentos em sua esfera de gestão;
  • Participar do processo de seleção de medicamentos a serem adquiridos;
  • Avaliar as condições existentes para o armazenamento, a distribuição e a dispensação de medicamentos, realizando os encaminhamentos necessários para atender à legislação sanitária vigente;
  • Desenvolver ações para a promoção do uso racional de medicamentos;
  • Participar das atividades relacionadas ao gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde, conforme legislação sanitária vigente.

5. Farmácia hospitalar e clínica

Esta provavelmente é a linha mais conhecida de atuação do farmacêutico para a população em geral. Trata-se do profissional que atua em hospitais, clínicas, farmácias comerciais ou de manipulação no atendimento a pacientes. Dentre as suas principais atribuições estão:

  • Participar ativamente na formulação e no acompanhamento da farmacoterapia;
  • Prescrever medicamentos no âmbito da sua competência profissional;
  • Realizar intervenções farmacêuticas;
  • Conhecer as informações constantes no prontuário do paciente;
  • Desenvolver ações para a promoção, proteção e recuperação da saúde do paciente;
  • Acompanhar a adesão dos pacientes ao tratamento prescrito.

6. Farmácia industrial

Por outro lado, a farmácia industrial é uma linha de atuação onde o profissional está de fato envolvido no desenvolvimento e produção dos fármacos. Nesse sentido, ele não trabalha só com medicamentos, mas também com insumos farmacêuticos, farmoquímicos, saneantes e também com cosméticos. Dentre suas principais atribuições estão:

  • Pesquisa de substâncias para criação de novos compostos;
  • Gestão da programação e controle de produção, ao registro de produtos e ao controle da qualidade;
  • Análise e supervisão da qualidade e desenvolvimento de embalagens de produtos;
  • Festão de atividades relacionadas ao SAC da indústria;
  • Acompanhamento das etapas de auditoria sanitária das instalações industriais.

7. Gestão

Já na gestão, o profissional da farmácia atua na regulação, auditoria em saúde e avaliação de tecnologias. Além disso, ela alia conhecimentos de administração, logística e marketing, o que torna possível ao profissional atuar na compra, venda e distribuição de fármacos. Essas características fazem com que o farmacêutico gestor possa atuar em conjunto com os profissionais de todas as outras linhas da farmácia.

Confira quais são as suas principais atribuições:

  • Providência capacitação para todos os integrantes da sua equipe;
  • Garante o cumprimento das boas práticas de dispensação e manipulação;
  • Preza pelo cumprimento da legislação sanitária vigente;
  • Participa do planejamento das ações de marketing da instituição;
  • Garante o suprimento dos produtos e matérias primas.

8. Práticas integrativas e complementares

Nesta área, o farmacêutico trabalha com práticas baseadas em conhecimentos tradicionais para a saúde de várias culturas ao redor do mundo. Acupuntura, homeopatia, plantas medicinais, terapia floral, fitoterapia, crenoterapia são algumas das práticas que o farmacêutico pode trabalhar no seu dia a dia.

A maior parte dos farmacêuticos dessa linha atua diretamente em laboratórios fitoterápicos, desenvolvendo pesquisas. No entanto, há espaço também para esses profissionais em equipes multidisciplinares focadas nas práticas integrativas e complementares. Há também a possibilidade de realizar sessões de acupuntura ou orientar práticas mentais e corporais, por exemplo.

Entre as principais atribuições desses profissionais, estão:

  • Participar ativamente na formulação e no acompanhamento da farmacoterapia;
  • Prescrever medicamentos fitoterápicos que não exigem prescrição médica;
  • Fazer o acompanhamento do paciente durante o tratamento;
  • Desenvolver ações para a promoção, proteção e recuperação da saúde do paciente;

9. Saúde pública

Muitas pessoas não sabem, mas o sistema de saúde vai muito além dos hospitais e dos ambulatórios médicos. Para além do atendimento direto em instituições de saúde, os farmacêuticos têm papel importante na promoção da saúde pública atuando também no controle de qualidade e tratamento de água, bem como no controle de vetores e pragas urbanas, por exemplo. Eles também podem atuar na farmacoeconomia, farmacoepidemiologia, farmacovigilância, gerenciamento de resíduos de saúde, saúde ocupacional e segurança do trabalho e vigilância sanitária.

  • Realiza a dispensação de medicamentos
  • Responsável pela farmacovigilância, reposição, armazenamento e controle dos medicamentos
  • Promover a educação em saúde.

10. Toxicologia

Por último, não podemos deixar de falar na carreira do farmacêutico toxicologista, que atua na análise sobre a presença e os efeitos de substâncias químicas no nosso organismo. Embora boa parte dos toxicologistas trabalhem em laboratórios de clínica médica, há também oportunidades de trabalho em equipes de peritos criminais e de de tratamento de água e outras questões ligadas ao meio ambiente.

Entre as principais atribuições, estão:

  • Atua como responsável pelo processo de gestão laboratorial;
  • Realiza análises toxicológicas;
  • Desenvolve programas de controle de qualidade interno e externo ao laboratório;
  • Reconhece riscos químicos devido à exposição a agentes tóxicos.

Como está o mercado de trabalho?

Como você já deve ter percebido até aqui, a área da farmácia é extremamente ampla e com diversas possibilidades de atuação. Além das 10 linhas de atuação, o CFF também lista 135 especialidades dentro da área.

A instituição do Sistema Único de Saúde (SUS) no fim dos anos 1980 e a sua expansão nas décadas seguintes foram essenciais para a expansão do mercado de trabalho dos farmacêuticos. Outras medidas importantes para essa categoria foram a obrigatoriedade de farmacêuticos de plantão nas farmácias e drogarias, além da lei dos genéricos. E também a Lei dos Genéricos, que reconfigurou o mercado e a indústria farmacêutica na virada do milênio.

Essas são as principais razões pelas quais a farmácia seja uma das áreas da saúde com maior taxa de ocupação de cargos. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 94% dos farmacêuticos brasileiros estão empregados.

O cenário, portanto, é bastante positivo tanto para os profissionais já inseridos no mercado quanto para aqueles que estão em formação.