Inteligência emocional no trabalho: como desenvolver a sua

Até um tempo atrás, era o raciocínio lógico que predominava nos processos seletivos. Com a ideia difundida sobre a inteligência emocional, os critérios mudaram. Hoje, o que pode ser determinante para o sucesso e o insucesso do indivíduo, está relacionado ao seu nível de inteligência emocional.

Se você precisa entrar ou permanecer no mercado de trabalho, é necessário entender sobre o assunto, descobrir se possui as habilidades necessárias ou se precisa desenvolvê-las. Para isso, criamos esse artigo para ajudá-lo a chegar lá.

O que é inteligência emocional?

<a href="https://www.freepik.com/">Foto: Freepik</a>

Existe um grande segredo por trás de pessoas bem sucedidas em seu trabalho: inteligência emocional. E é essa a habilidade que está sendo exigida pelas empresas hoje em dia. Sabe-se que é algo que não se estuda na escola, mas que nasce com você ou que aprende a desenvolver. Mas, afinal o que é inteligência emocional? É o poder de percepção e administração de suas próprias emoções, mas também o controle sobre a emoção do outro. Parece fácil? Mas não é. Saiba que controlar as próprias emoções tem desafiado muitas pessoas por aí. Alguns fatores como autocrítica, reflexão, meditação e empatia tem tirado o sono de muita gente, já que desenvolver a inteligência emocional é afetar a maneira de se comportar, tomar decisões e interagir socialmente.

Como surgiu o conceito de inteligência emocional?

Foto: Freepik

Conceitualmente, inteligência emocional está correlacionada com a Psicologia e foi popularizada a partir de best sellers como o livro “Inteligência Emocional” do psicólogo estadunidense, Daniel Goleman.
No livro, Goleman informa que a inteligência emocional é a capacidade de reconhecer os seus próprios sentimentos e os dos outros. Antes das teorias difundidas por Daniel Goleman, alguns estudiosos já faziam referências ao termo.

Charles Darwin confirmou a importância da expressão emocional para a sobrevivência. O psicometrista, Robert Thorndike, descreveu a capacidade de compreender e motivar os outros como “inteligência social”.
Os psicólogos Peter Salovey e Jhon Mayer foram os que introduziram, inicialmente, o conceito de inteligência emocional e a expressão “EQ”. Contudo, somente a partir do livro de Daniel Goleman, a mídia enfim despertou para o assunto e virou motivo de discussões no mundo todo.

Em seu livro, Goleman dividiu a inteligência emocional em cinco capacidades básicas:

  • Autoconhecimento emocional – a capacidade de reconhecer as próprias emoções esentimentos quando ocorrem;
  • Controle emocional – saber lidar com as suas emoções conforme cada situaçãovivida;
  • Automotivação – conduzir corretamente as emoções em prol de um objetivo e acapacidade de se concentrar na tarefa que está realizando;
  • Reconhecimento das emoções em outras pessoas – reconhecer as emoções nooutro e ter empatia aos sentimentos deles;
  • Habilidade em relacionamentos interpessoais – manter uma relação saudável com osoutros e saber interagir utilizando competências sociais.

Qual a importância da inteligência emocional no trabalho?

Para atingir uma determinada meta é importante saber lidar e se relacionar corretamente com as pessoas. Para isso, é fundamental que o indivíduo saiba lidar com as suas próprias emoções.

O profissional com inteligência emocional proporciona um ambiente saudável para os colaboradores e deixa eles se sentirem à vontade para contribuir com ideias e soluções. Esse profissional tem a capacidade de motivar a sua equipe a se manterem engajados e focados, contribuindo para o aumento da produtividade e um clima organizacional mais agradável.

Aos que exercem cargos de liderança, a preocupação é maior para desenvolver inteligência emocional, pois precisam lidar diariamente com diferentes personalidades. Assim sendo, é importante que ele procure constantemente trabalhar seu autoconhecimento e esteja disposto a ouvir seu colaborador.

veja também:
Turnover: o que é, causas e como reduzir na sua empresa

Como desenvolver inteligência emocional?

Foi-se o tempo em que o QI era algo determinante para uma contratação. Com a evolução dos estudos da Inteligência emocional e sobre a importância dela nas empresas, entender as suas emoções e a dos outros, tornou-se fator crucial para o sucesso na vida pessoal e profissional.

Mas, como dito anteriormente, a inteligência emocional não se aplica à escola. Contudo, as habilidades que as compõem podem ser desenvolvidas. Basta que você mude a sua maneira de agir e reagir. Tarefa fácil? Não mesmo! É preciso muito foco e persistência, mas acima de tudo, você precisa querer!

Reunimos algumas dicas para ajudar você. Vamos lá?

1. Comece com o autoconhecimento

Antes de qualquer atitude, a primeira deve ser a prática do autoconhecimento. Esse exercício é fundamental para saber lidar com as suas próprias emoções. Comece analisando o seu próprio comportamento e identifique os pontos que você tem mais dificuldades.

Observe as suas reações frente a determinadas situações e como elas afetam você e os outros. Em alguns momentos, esse exercício pode fazer você descobrir características suas que você nunca imaginou. Mudá-las será um grande passo para chegar em seu objetivo.

2. Pratique o autocontrole

Agora que você conseguiu identificar as suas fraquezas e reações, é hora de controlar as suas emoções e impulsos nos momentos de decisões. Isso não quer dizer que você deve reprimi-los, mas saber o momento certo para externá-lo.
Procure meditar ou faça exercícios mentais para pensar antes de agir ou falar. Busque a calma nesses momentos.

3. Reconheça seus pontos fortes e saiba delegar

É importante que entenda quais são seus pontos fortes e o que diferencia você como profissional. Dessa forma, você perceberá quais as áreas em que terá que delegar as responsabilidades.
Não queira ser o super-herói e abraçar o mundo, aprenda a dividir as tarefas trabalhando com pessoas que possuem habilidades diferentes das suas. Assim você aprende com elas e elas com você.

4. Tenha empatia

Coloque-se na posição do outro para entender o seu ponto de vista e emoções. Esteja disposto a conhecer as pessoas e descarte pensamentos pré-concebido sobre elas. Pessoas podem ter comportamentos e pensamentos diferentes, mas é possível encontrar harmonia na interação.

Quais os sinais indicam que você tem inteligência emocional?

Ter inteligência emocional é está a frente de seus colegas. O modo como você controla as suas emoções e sabe lidar com o outro, determina o seu sucesso pessoal e profissional. Quem tem inteligência emocional consegue direcionar melhor suas metas porque tem flexibilidade ao gerir as situações. Se adapta com facilidade, uma vez que se recupera rapidamente do estresse, porque confia em seu trabalho.

Mas como saber se você possui as características fundamentais para a inteligência emocional? Ou, pelo menos, algumas delas? Listamos alguns sinais que vão ajudá-lo a identificar o nível da sua inteligência emocional:

1. Conhece suas forças e fraquezas

Conhecer-se e ser honesto consigo mesmo são fatores determinantes para saber quais as suas deficiências e aceitar que precisa melhorar. Se você tem essas características, saiba que está exercitando uma das habilidades mais importantes da inteligência emocional: o autoconhecimento emocional.

veja também:
Trabalhar em cruzeiros: requisitos, processo seletivo e outras dicas

2. Se levanta rapidamente das quedas

Os erros cometidos fazem parte da vida, mas saber lidar com eles, não é pra qualquer um. Entretanto, se você possui inteligência emocional, sabe que precisa seguir em frente. Você não perde o controle diante das situações, ao contrário, resiste e busca forças para se reerguer.

3. Confia em si mesmo

Se sentir à vontade para seguir os seus instintos, é ter a capacidade de confiar em si mesmo e em suas emoções para alcançar os seus objetivos. Dessa forma, você consegue focar a sua atenção e energia para se automotivar.

4. Se importa em conhecer o outro

Ao se permitir conhecer as pessoas, você elimina qualquer pré-conceito sobre elas. Entender as necessidades e os sentimentos dos outros e agir com sensibilidade à eles, é mostrar-se empático. Outra grande habilidade da inteligência emocional.

5. Procura manter um bom relacionamento com todos

Compartilhar suas ideias e opiniões de forma clara, sem precisar impor o que você pensa, facilita no relacionamento com seus pares. Com isso, você consegue permitir a troca de experiências e manter um ambiente saudável para todos.

Qual o lado negativo da inteligência emocional?

Foto: Freepik

Conceito altamente difundido após o livro de Goleman, a inteligência emocional, tem sido objeto de desejo de vários profissionais. Infelizmente, como tudo nessa vida, existem aquelas pessoas que procuram aprimorar as suas habilidades emocionais para manipular os outros.

Mas como isso pode acontecer? Quando você tem facilidade em controlar suas emoções, os seus verdadeiros sentimentos podem ser disfarçados e ao saber o que os outros estão sentindo, você será capaz de fazê-los agir contra os seus próprios interesses.

Ao atingir um alto nível de inteligência emocional, não será fácil incomodá-lo. Portanto, alguns feedbacks negativos não farão qualquer sentido para você, já que tem o controle sobre as suas emoções. Contudo, pode não ser interessante, pois os feedbacks servem para buscar a melhoria.

Por conhecer seus limites, será maior a probabilidade de não tomar decisões arriscadas. Você consegue resistir aos seus impulsos, o que leva as suas atitudes ao nível de perfeccionismo exacerbado. Ao não se permitir arriscar, você pode deixar passar uma grande oportunidade.

Você percebeu que, por sorte, as pessoas não precisam nascer com um nível alto de inteligência emocional. As habilidades pertinentes a ela podem ser desenvolvidas e praticadas.

Além de tornar-se uma pessoa melhor, ao aplicar essas habilidades, você contribui para seu desenvolvimento no trabalho e pode colher bons frutos com isso. Logo, deixe a inteligência emocional fazer parte da sua vida pessoal e profissional de forma saudável.