Análise SWOT pessoal: saiba como fazer

Você já ouviu falar em análise SWOT? Sabe o que significa e sua aplicabilidade? Este recurso rápido e totalmente acessível pode ser muito eficaz para enxergar o cenário atual e planejar os próximos passos, seja para o âmbito organizacional ou até para sua vida pessoal. Ficou curioso? Então me acompanhe nesta leitura e saiba mais.

Surgimento da análise SWOT

O termo SWOT é um acrônimo em inglês para as palavras forças (strengths), fraquezas (weaknesses), oportunidades (opportunities) e ameaças (threats). A análise SWOT surgiu na Universidade de Stanford na década de 1960, em um projeto encabeçado pelo líder Albert Humphrey. Para criar o método, o grupo se baseou em dados das 500 maiores corporações apresentadas pela revista Fortune na época.

A análise SWOT vem, até o momento, sendo amplamente usada no Brasil. Por aqui, ela foi apelidada de análise FOFA, pelo acrônimo traduzido (forças, oportunidades, fraquezas e ameaças). Sua utilização é rápida, não exige nenhum recurso além de papel e caneta e pode ser aplicado e respondido por qualquer um.

O método se propõe a analisar fatores internos do indivíduo ou da empresa (forças e fraquezas) e fatores externos (ameaças e oportunidades). Com o resultado, é possível olhar com mais clareza para o cenário atual e assim planejar quais estratégias devem ser tomadas: no que se deve investir e quais caminhos precisam ser mudados ou aprimorados.

A análise SWOT é ideal como primeiro passo antes de elaborar um planejamento estratégico, seja de uma empresa, de um projeto da organização ou até da vida de um indivíduo.

Aplicabilidade da análise SWOT na vida pessoal

Quer saber como usar a análise SWOT em seu favor? Se o seu foco é sua vida profissional, a análise SWOT pode ser importante antes de preencher seu currículo ou de comparecer em uma entrevista de emprego.

Estamos sempre dando dicas aqui no blog que como responder sobre seus pontos fortes e fracos na entrevista, ou ainda como identificar suas habilidades e competências para preencher o currículo. A análise FOFA pode tornar este processo bem mais fácil. Vale dizer que a técnica pode ser aplicada também se você deseja tomar alguma decisão em outros campos da vida, como a área acadêmica.

veja também:
Trabalhar em banco: dicas essenciais para entrar no setor bancário

Contudo, focaremos aqui na análise das quatro áreas da vida profissional. Confira e conheça quais perguntas são possíveis de ser feitas para si mesmo para responder cada uma das áreas.

A proposta da técnica é funcionar como um brainstorming, ou seja, como uma tempestade de ideias. Isto significa considerar os primeiros pensamentos que vêm à mente, sem ‘filtrar’ os resultados com julgamentos. Quanto mais demorar a responder, mais você começará a ter dúvidas sobre suas respostas. Por isso, seja rápido e não hesite em escrever a primeira informação que lhe vier à mente.

Vamos então analisar cada um dos campos. Para iniciar, divida uma folha em quatro partes e escreva cada uma das áreas no topo de cada quadrado.

Forças

Este campo se refere aos seus pontos fortes, suas qualidades. Pense em respostas para perguntas como:

  • Por quais características as pessoas costumam me elogiar?
  • O que tenho facilidade em fazer?
  • Quais são meus valores éticos e morais?
  • Qual minha formação acadêmica?
  • Quais habilidades adquiri até agora?
  • Pelo que me destaco na vida?
  • O que me diferencia dos demais de forma positiva?

Além disso, reflita sobre aspectos como:

  • Comunicação;
  • Resiliência;
  • Otimismo;
  • Proatividade;
  • Liderança;
  • Capacidade de negociação, etc.

Apenas liste aqueles pontos que são parte de suas competências e personalidade. Caso algum deles seja considerado fraco por você, ele poderá aparecer no próximo campo.

Fraquezas

A palavra ‘fraquezas’ pode soar esquisita, enfocando o que há de ruim. Mas vamos ressignificá-la e pensar no conteúdo deste campo como itens da vida que podem ser melhorados. Qualquer competência pode ser desenvolvida ou aprimorada.

Para responder a este quadrante, leve em consideração:

  • O que impede meu crescimento?
  • Quais obstáculos tenho dificuldade de enfrentar?
  • Quais habilidades faltam para me tornar o profissional que almejo ser?
  • Por quais pontos negativos já recebi algum feedback?

Além disso, considere características como:

  • Timidez
  • Insegurança
  • Auto sabotagem
  • Baixa autoestima
  • Indecisão
  • Falta de formação acadêmica ou profissional
veja também:
6 dicas cruciais para se dar bem na entrevista de emprego

O conteúdo listado aqui deve ser olhado como algo a melhorar. Com base nele, você poderá projetar metas de ações em seu planejamento estratégico pessoal para desenvolver as características necessárias e alcançar seu objetivo.

Oportunidades

Até agora estávamos lidando com elementos internos, pessoais. Agora, os próximos itens dizem respeito a fatores externos. Você já deve ter ouvido histórias de grandes empreendedores, não é mesmo? Uma das principais características deles é saber reconhecer as oportunidades e ‘abraçá-las’. Então, como fazer para refletir sobre as suas oportunidades? Considere itens como:

  • Quais minhas chances de crescimento na empresa?
  • O mercado está aquecido?
  • Eu tenho contatos que podem ser parceiros para alcançar meu objetivo?
  • Quais setores estão oferecendo mais oportunidades para alguém com meu perfil?

Ameaças

Por último, reflita sobre os pontos negativos externos. Quais situações que não estão no seu controle podem impedi-lo de conquistar o que deseja?

  • A área desejada tem ampla concorrência?
  • A exigência é por formação e experiência acima do que você tem?
  • Faltam vagas?
  • É necessário mudar-se?

Estude seu resultado e mão na massa!

Com seu resultado em mãos, reflita sobre o caminho profissional que deseja tomar. Ele tem mais pontos positivos ou negativos? Quais pontos negativos você está disposto a mudar, como e quando? Desta forma, alcançar sua meta ficará muito mais simples.

Se este conteúdo foi útil para você, compartilhe-o! Continue nos acompanhando para mais conteúdos como este.